Setembro amarelo: alerta para sinais e caminhos para superar problema do suicídio

Geral

13/09/2018 às 14h25

Setembro amarelo: alerta para sinais e caminhos para superar problema do suicídio

ESTA MATÉRIA FOI VISTA 459 VEZES

JOÃO PESSOA - Tristeza, isolamento, mudança de comportamento na rotina, afastamento dos amigos. Saber identificar um desses sintomas no outro é essencial para poder ajudar quem passa por algum problema de ordem psíquica, incluindo a prevenção ao suicídio, informa a psicóloga clínica do Hapvida, Danielle Azevedo.

 

De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), no Brasil ocorre um suicídio a cada 45 minutos.
 

O assunto é grave e vem mobilizando a sociedade, autoridades em saúde e profissionais da área para evitar que esses casos aconteçam.

 

Com esse intuito, surgiu o Setembro Amarelo, mês de prevenção ao suicídio.

 

Para a psicóloga trabalhar com a valorização da vida, dialogar no sentido de se colocar no lugar do outro e fazer com que ele se sinta melhor são alguns caminhos para evitar o problema. 
 

“Falar de assuntos polêmicos, que envolvem tragédias, como o suicídio requer um diálogo de forma mais sutil. A pessoa que pretende ajudar tem que mostrar que está ali para ofertar ajuda, no intuito de fazer com que a pessoa se sinta amada, buscando entender o seu sofrimento”, afirma, reforçando que, a qualquer sinal de problema é preciso ir em busca de ajuda de um profissional de psicologia ou psiquiatria.

 
Valorizando a vida

 

Com o intuito de trabalhar a valorização da vida e, consequentemente, combater o suicídio a rede de saúde Hapvida, em João Pessoa, atua no intuito de fazer com que o indivíduo se sinta melhor, apesar das adversidades da vida, e busque uma saída ao identificar alguns sinais que podem gerar o óbito autoprovocado.
 

Uma dessas ações vai acontecer na próxima sexta-feira (14), às 15h30, no Hospital Geral, em João Pessoa, na avenida Júlia Freire, Torre.

 

Nessa hora, todos os colaboradores do Hapvida irão parar suas atividades por um minuto para realizarem a troca de fitas amarelas.
 

O ato simbólico em que cada pessoa vai pegar sua fitinha e amarrar no braço de outra pessoa agradecendo por ela existir, visa demonstrar a importância que cada vida possui no ambiente de trabalho, levando a mensagem de que “celebro sim a sua vida”, porque “você é muito importante pra mim”.

 

A ação será realizada em todas as regiões onde a operadora atua.
 
 

Números

 

Conforme a Organização Mundial de Saúde (OMS) ocorre um suicídio a cada 45 minutos no Brasil. Uma tentativa a cada três segundos e um suicídio a cada 40 segundos. Totalizando um milhão de suicídios no mundo.

 

Ainda de acordo com a OMS, o suicídio é a terceira causa de morte entre jovens de 15 e 29 anos; e a sétima causa de morte de crianças na faixa etária de 10 a 14 anos de idade.

Comentários

Veja também

Facebook