Reitor da UEPB juazeirinhense se torna vice-presidente da Abruem

Educação

27/05/2018 às 11h34

Reitor da UEPB juazeirinhense se torna vice-presidente da Abruem

ESTA MATÉRIA FOI VISTA 226 VEZES

O reitor da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), professor Rangel Junior, natural do município de Juazeirinho, foi eleito vice-presidente da Associação Brasileira de Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (Abruem), nesta sexta-feira (24), durante a realização do 62º Fórum Nacional de Reitores, em Florianópolis (SC).

 

Como presidente foi eleito o reitor da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Haroldo Reimer.

 

A nova gestão da Associação será empossada para o biênio 2018/2020 em plenária extraordinária a ser realizada em Brasília (DF), no mês de agosto.

 

Para o reitor Rangel Junior, sua eleição com o professor Haroldo para gerir a Abruem é resultado de um trabalho de participação ativa nos últimos cinco anos, onde esteve presente em todos os fóruns, buscando fortalecer o intercâmbio entre as instituições de ensino superior, defendendo a autonomia das universidades estaduais e municipais e princípios fundamentais de financiamento destas instituições nos estados.

 

“Foi uma relação de confiança construída entre os diversos reitores das IES estaduais e municipais. Por esse conjunto de razões, surgiu a proposta de indicação do meu nome com o professor Haroldo, em chapa única, que foi prontamente acatada por todos”, frisa.

 

Rangel salienta que existe uma relação de muita confiança e um bom entendimento que permitirão manter o bom trabalho que vem sendo desenvolvido pela atual presidência, representando as IES junto ao Congresso Nacional, aos governos estaduais e fazendo a defesa do sistema das universidades.

 

“Somos uma rede importante na educação superior pública do país, temos participação significativa no processo de formação de profissionais do Brasil, com quase 40% das vagas públicas. Esse segmento precisa ser olhado com o devido respeito e importância que tem”, destaca o reitor.

 

“O Ministério da Educação (MEC), quando da abertura de editais do CNPq e da Capes, precisa olhar de forma igualitária para as universidades estaduais e municipais em comparação com as federais. Portanto, devemos também ter acesso mais igualitário a esses instrumentos de fomento da Educação. Precisamos ter definição de recursos ordinários para contribuir com o financiamento do custeio, principalmente em termos de manutenção e assistência estudantil. Vamos buscar também o retorno do pagamento referente ao PNAEST, que até hoje o governo federal não cumpriu. São conjuntos de questões com as quais nos comprometemos e acreditamos que podemos melhorar e fortalecer a relação entre as IES, com intercâmbios e cooperação em prol de uma melhor contribuição ao conjunto da sociedade brasileira”, comenta Rangel.

 

Haroldo Reimer, reitor da UEG, destaca que é um grande desafio e uma honra assumir a presidência da Abruem. Segundo ele, as universidades públicas passam por um momento de grande desafio, uma vez que muitas se encontram em dificuldades orçamentárias e financeiras.

 

“Diante deste cenário, vários segmentos discutem se as universidades estaduais e municipais devem permanecer gratuitas. Reafirmamos a importância da gratuidade das universidades no ensino público, conforme está estabelecido na Constituição Federal e também nos estados”, ressalta.

Comentários

Veja também

Facebook