Pocinhos inicia ano com rombo de R$ 4,2 milhões nas contas

Econômia

03/01/2018 às 00h07

Pocinhos inicia ano com rombo de R$ 4,2 milhões nas contas

ESTA MATÉRIA FOI VISTA 267 VEZES

POCINHOS - 2017 foi um ano muito difícil para a população pocinhense devido a ineficiência da gestão Cláudio Chaves (PTB), que praticamente não governou e o município só afundou com a precariedade dos serviços públicos, principalmente na saúde, educação e infraestrutura.

 

Some-se a isso o fato dos servidores Municipal constantemente paralisarem as atividades para reivindicarem o trivial, que é justamente o pagamento dos salários.

 

Veículos da frota oficial, como ônibus escolares, deixaram de realizarem o serviço por falta de combustíveis, haja vista que a Prefeitura não pagou a conta do posto, que proibiu o abastecimento.

 

E a coisa, infelizmente, promete continuar ruim para o lado do pocinhense, pois, de acordo com dados colhidos pelo helenolima.com no Sagres do Tribunal de Contas do Estado (TCE), a Prefeitura gastou mais do que arrecadou entre janeiro e novembro do ano passado e entrou 2018 no vermelho, com débito superior aos R$ 4 milhões.

 

A receitas orçamentária de Pocinhos nesses 11 meses foi de 32.246.919,13 milhões.

 

No entanto, as despesas empenhadas para pagaento somam 33.297.317,46 milhões. Ou seja,entre receitas e despesas,  restou um déficit de R$ 1.050.397,87 milhão.

 

Para piorar, o Governo só conseguiu pagar do montante empenhado, R$ 29.037.619,69 milhões e ficou com um rombo de contas a pagar no valor de R$ 4.259.697,77.

 

Sendo assim, a previsão é de um ano muito ruim, com a gestão atual deixando de oferecer serviços de qualidade à população e o servidor tendo sérias dificuldades para receber seus salários.

 

Some-se a tudo isso o fato da Prefeitura ter atrasado também o pagamento do 13º ao funcionalismo.

 

Atualmente, quem está no comando do município interinamente é a vice-prefeita, Maísa Souto (PSDB), haja vista que o titular do cargo está afastado há cerca de três meses para tratamento de saúde. 

 

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Da redação

Comentários

Veja também

Facebook

 -->