MP pede investigação do rei do nepotismo pela nomeação de 7 parentes

Politica

10/01/2017 às 14h27

MP pede investigação do rei do nepotismo pela nomeação de 7 parentes

ESTA MATÉRIA FOI VISTA 264 VEZES

O procurador do Ministério Público do Trbalho, Cláudio Gadelha, admitiu que o prefeito de Montadas, Jonas de Souza (PSD), deve ser investigado pela nomeação de 7 parentes para cargos na gestão Municipal, iniciada no último dia 1º de janeiro.

 

Apesar de citar a Súmula 13 do Supremo Tribunal Federal (STF), que permite a nomeação de familiares até terceiro grau para cargos políticos, o coordenador do Focco-PB disse que o novo prefeito de Montadas afrontou o princípio da razoabilidade ao encher a administração municipal com parentes.

 

"É preciso analisar caso a caso para verificar se é razoável e não frauda a lei. Falta razoabilidade no caso de Montadas. A Súmula número 13 diz que cargos de natureza política estão ressalvados na regra do nepotismo. Se o gestor tiver um parente até terceiro grau com aptidão técnica e da sua confiança, ele pode ser nomeado como secretário. Mas, nomear sete secretários da família é absolutamente fora de razoabilidade. Não pode ser que Montadas não tenha outras pessoas não parentes do prefeito com capacidade de exercer essas funções. O prefeito lança mão de aparente prerrogativa, mas não é razoável e fica clara a troca de favores. Se não houver razoabilidade, não importa se for cargo político, é nepotismo. Ele deve ser objeto de investigação", disse Cláudio, durante entrevista à rádio CBN João Pessoa.

 

Procurador pede investigação de nomeação de sete parentes do prefeito de Montadas

O procurador Cláudio Gadelha admite que o prefeito de Montadas deve ser investigado

 

O procurador adianta que, na condição de coordenador do Focco-PB vai encaminhar expediente ao Ministério Público Estadual solicitando que seja aberto um procedimento investigatório sobre o episódio de Montadas.

 

"É preciso deixar claro que quem tem que abrir um procedimento investigatório ou notícia de fato é o Ministério Público Estadual. Vamos encaminhar um expediente pedindo que ele investigue esse caso".

 

Gadelha acrescenta que "o prefeito que tiver juízo deveria evitar nomeação de parentes em quantidade. Isso é uma ofensa aos cidadãos do município".

 

O prefeito montadense, contudo, alega que a nomeação de parentes se deu pela "capacidade técnica" e não pela relação de proximidade familiar.

 

Veja a lista de auxiliares do prefeito de Montadas

 

Secretaria de Finanças: Kátia Ramalho (esposa do prefeito);

 

Secretaria de Saúde: Erasmo de Souza (irmão do prefeito);

 

Secretaria de Educação: Neuracir de Souza (Irmã do prefeito);

 

Secretaria de Infraestrutura: Ranunfo Leandro de Souza (irmão do prefeito);

 

Secretaria de Administração: Lindembergue de Souza Silva (primo do prefeito);

 

Procuradoria Geral do Município: Enéas Veríssimo (primo do prefeito);

 

Chefia de Gabinete: José de Arimatéia Souza (tio do prefeito);

 

Secretaria de Agricultura: Ronaldo de Oliveira;

 

Secretaria de Ação Social: José Romero Martins Santos.

 

Da redação com ParlamentoPB

Comentários

Veja também

Facebook