Entidades sindicais mobilizam servidores contra Reforma da Previdência

Paraíba

18/04/2019 às 14h14

Entidades sindicais mobilizam servidores contra Reforma da Previdência

ESTA MATÉRIA FOI VISTA 216 VEZES

Representantes de entidades de classe divulgaram, de forma conjunta, nota pública contra as medidas propostas pelo Governo Federal para promover a Reforma da Previdência, através da PEC nº 06/2019.

 

No documento, os dirigentes chamam a atenção para o discurso falacioso do governo para tentar emplacar as ‘armadilhas’ escondidas no projeto. Segundo as entidades, a proposta que está colocada só chancela a tentativa de desconstrução por completo da estrutura da Seguridade Social atualmente existente no país.

 

Em um trecho do documento, os representantes das entidades lembram que o povo não deve se enganar novamente, assim como aconteceu na Reforma Trabalhista, quando houve a precarização da relação entre empregador e empregado em suas diversas formas.

 

Confira, na íntegra, o documento.

 

Nota pública

 

A Previdência deve ser pública e de interesse social

 

As entidades que abaixo subscrevem, vêm, publicamente, manifestar oposição às medidas inseridas na Proposta de Emenda Constitucional n. 06/2019, que, sob o pretexto de promover uma Reforma da Previdência, termina por desconstruir completamente a estrutura da Seguridade Social conferida pela Constituição de 1988.

 

Para defender a desumana proposta, tem-se adotado o falacioso discurso de que o objetivo é o combate a privilégios e a recuperação do crescimento econômico, quando na verdade o que se demonstra explicitamente é que os resultados desse modelo apresentado levarão a um maior beneficiamento do sistema financeiro – real privilegiado na base econômica do país - ao tempo em que ocasionarão o empobrecimento da população idosa, com consequências trágicas e inestimáveis à sociedade e à economia brasileira.

 

A desditosa “Nova Previdência” tem como pano de fundo a financeirização e privatização do sistema previdenciário brasileiro, com o escuso interesse de transferir toda a poupança pública gerada com o atual regime para o Mercado Financeiro, enquanto os encargos ficam com o próprio Estado - que assumirá os custos impagáveis da transição e a compensação pela baixa cobertura e benefícios a serem gerados - e com os trabalhadores que serão penalizados duplamente, ao terem que contribuir mais, arcando sozinhos com o financiamento, tanto da transição como de sua poupança particular, para receberem uma aposentadoria inferior, e ainda exposta aos riscos próprios da especulação financeira. Trilhões de reais serão direcionados para os bancos, seguradoras e corretoras, principais interessadas nessa Reforma, e que, por isso, têm feito uma campanha massiva por meio de propaganda na imprensa e meios de comunicação, e realizado pesado e intenso lobby no Congresso Nacional.

 

Além do Sistema Financeiro, que lucrará às turras, setores empresariais descompromissados com o equilíbrio social do país também têm alardeado quanto à necessidade da reforma, e por quê? A resposta é clara: com a capitalização eles não contribuirão com nenhum centavo para a aposentadoria dos trabalhadores. Senão, já que estão preocupados com o suposto déficit previdenciário, por que é que os bancos e grandes empresários não se dispõem a contribuir mais para o financiamento do sistema previdenciário? Pior, alguns desses bancos e empresas estão na lista negra da previdência como principais devedores, e de quantias que somam os bilhões.

 

O Governo, com um olhar voltado apenas para interesses do malfadado “mercado”, esquece dos trabalhadores que, verdadeiramente, constroem e geram riqueza para este país, e quer os empurrar para um sistema de capitalização que já demonstrou fracassado e maléfico nos países onde foi adotado. O exemplo do Chile é o mais emblemático, e onde se verifica os fatos mais aterradores: cerca de 80% dos aposentados daquele país recebem menos de um salário mínimo local e 40% recebem valores tão baixos que os colocam em situação de miséria oficial, o que faz do Chile o país com a maior taxa de suicídio entre a população idosa na América Latina.

 

Enquanto não transfere todos para a capitalização e deixa a população à própria sorte, o Governo quer brindar os trabalhadores com um pacote pesado e intransportável de maldades, em que busca: elevar o tempo mínimo de contribuição para um período que muitos – principalmente os trabalhadores de baixa renda e formação - não conseguirão trabalhar com carteira assinada, portanto, impedindo-os de se aposentarem; reduzir os valores dos benefícios que podem cair para apenas 60% dos valores da média da contribuição; elevar a idade mínima e a equiparar a de países desenvolvidos que possuem expectativa de vida e sobrevida 10 anos superior à nossa; rebaixar o Benefício de Prestação Continuada destinado aos idosos miseráveis ao valor de R$ 400,00; aumentar a taxa da contribuição previdenciária para os trabalhadores, enquanto os empregadores não colaboram com nenhum adicional; reduzir o valor das pensões para até a metade do salário, afetando direta e negativamente a renda familiar; retirar o direito ao abono salarial de quem recebe entre um e dois salários mínimos; retirar o direito do trabalhador aposentado ao Fundo de Garantia; impossibilitar a Aposentadoria Rural da maior parte dos agricultores ao exigir a contribuição anual de, no mínimo, R$ 600,00; retirar da Constituição as regras de previdência de modo a facilitar a aprovação de outras perversidades.

 

Outro aspecto que não pode ser ignorado é a importância da Previdência para a economia dos municípios brasileiros. Em mais de 70% dos municípios do Nordeste os benefícios do Regime Geral de Previdência Social (RGPS) ultrapassa os repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Isso significa que a Previdência Social é a principal fonte de receitas desses municípios e responsável pela movimentação das economias locais. A PEC n. 06/2019, ao estipular condições inatingíveis para grande parte dos trabalhadores, adiar o recebimento dos benefícios e reduzir os seus valores, levará várias cidades do Nordeste ao colapso social e fiscal.

 

Defendemos que, se o Governo almeja alcançar um ajuste fiscal, melhorar a arrecadação do sistema previdenciário e não deixar de ter em vista um mínimo de justiça social, pode adotar várias outras medidas, tais quais: a) fim das “operações compromissadas” do Banco Central, que simplesmente remuneram a sobra de caixa - dinheiro que deveria ser emprestado para estimular a produção e consumo e reduzir a taxa de juros de mercado - dos Bancos no Brasil, que somou a quantia aproximada de R$ 754 bilhões de reais – valor próximo ao que se pretende economizar com a reforma para a próxima década - nos últimos dez anos, engordando os lucros dos bancos à custa do povo brasileiro; b) fim da aplicação da DRU (Desvinculação de Receitas da União), que afanou a quantia, atualizada pela SELIC, de mais de R$ 1,5 trilhão de reais entre os anos de 2000 e 2015 dos valores da Seguridade Social; c) revogação da Lei 13.586/2017 (Lei do trilhão), que concedeu isenções fiscais para empresas de petróleo estrangeiras provocando perda de arrecadação superior a R$ 1 trilhão nos próximos vinte anos; d) redução das desonerações fiscais, que atingiu o patamar de R$ 143 bilhões em 2016; e) Combate às sonegações, desvios e cobrança das dívidas previdenciárias, considerando que nos últimos 20 anos, mais de R$ 3 trilhões deixaram de ingressar nos cofres da Previdência; f) Modificação da política monetária que tem adotado as maiores taxas de juros reais do mundo, capturando mais da metade do orçamento do Governo Federal, contribuindo para o aumento da dívida pública, que, inclusive, jamais foi auditada; g) Reforma tributária que estabeleça contribuição justa dos lucros, dividendos, grandes fortunas, heranças, patrimônios e ativos financeiros e não produtivos; g) políticas econômicas que estimulem a geração de emprego, a formalização dos trabalhadores e o crescimento da produtividade, as quais aumentam a riqueza nacional e ampliam a arrecadação previdenciária; h) controle e revisão dos contratos de swap cambial do BACEN, que têm gerado resultados negativos bilionários e aumentado a dívida pública, com ônus à sociedade em benefícios de poucos grupos e setores empresariais.

 

Fazemos um alerta a todo o povo trabalhador brasileiro, que depende ou dependerá da previdência social na aposentadoria, quanto aos graves riscos que estamos enfrentando, sendo imprescindível que tenhamos a real clareza das ameaças e de seus efeitos, para que todos reajam, a fim de evitar que prospere impiedosa medida. A sociedade precisa estar corretamente informada sobre o que representa a PEC n. 06/2019, para que não caia na armadilha preparada pelo Governo Federal em conluio com forças da elite do atraso, que desvirtuam a verdade para ludibriar e atentar contra os interesses do povo. Precisamos esclarecer que a “Nova Previdência” é assentada sobre falsas premissas e escamoteiam suas consequências e finalidades.

 

O povo brasileiro não vai se deixar enganar novamente, como ocorreu com a Reforma Trabalhista, que prometeu gerar milhões de empregos e, como já era esperado, não teve nenhum efeito no mercado de trabalho senão a precarização das relações trabalhistas. Não vai cair no engodo de que só com esse enorme sacrifício o país haverá de crescer economicamente, pois foi com esse mesmo discurso que foi aprovada a PEC do Teto de Gastos (EC 95/2016), que resultou no engessamento dos investimentos e congelamento de aplicação de recursos em áreas essenciais como saúde, educação e segurança. 

 

Por todo o exposto, afirmamos que rejeitamos a PEC n. 06/2019 e nos comprometemos, publicamente, a atuar em conjunto com toda a sociedade, a fim de evitar que desafortunada Reforma seja aprovada. Pugnamos, ainda, que os Deputados e Senadores que representam o povo paraibano, dialoguem com a sociedade e não permitam que os trabalhadores brasileiros sejam penalizados e sujeitados às perversidades contidas na “Reforma da Previdência”. A PREVIDÊNCIA É PÚBLICA E SOCIAL.

 

DANIEL LINS BATISTA GUERRA

Presidente do Sindicato e da Associação dos Servidores do Ministério Público da Paraíba (SINDSEMP-PB/ASMP-PB)

ALOYSIO CARNEIRO JÚNIOR

Coordenador Executivo da Federação Nacional dos Servidores dos Ministérios Públicos Estaduais

BENEDITO FONSECA

Presidente do Sindicato dos Oficiais de Justiça da Paraíba (SINDOJUS-PB)

ALTAMIR PIMENTEL

Presidente da Associação dos Servidores da Secretaria do Tribunal de Justiça da Paraíba (ASSTJE)

JOSÉ IVONALDO BATISTA

Presidente da Associação dos Servidores, Técnicos, Analista e Auxiliares do Judiciário Paraibano (ASTAJ-PB)

VLADINEI GONZAGA SANTOS

Presidente do Sindicato dos Técnicos e Analistas do Judiciário do Estado da Paraíba (SINTAJ-PB)

Comentários

Veja também

Facebook