Em Olivedos prefeito corta alimentação dos motoristas que ameaçam pedir demissão

Geral

10/01/2018 às 10h45

Em Olivedos prefeito corta alimentação dos motoristas que ameaçam pedir demissão

ESTA MATÉRIA FOI VISTA 608 VEZES

OLIVEDOS - Motoristas da Prefeitura Municipal estão revoltados com o prefeito, Deusinho (PSD), que tem desprestigiado a categoria desde que assumiu o Governo, em janeiro do ano passado.

 

Durante a campanha, Deusinho prometia e palanque que iria pagar adicional noturno e insalubridade, principalmente para os motoristas da saúde.

 

Mas ao assumir o Governo, ele simplesmente se esqueceu das promessas que fazia para conquistar o eleitor.

 

Os motoristas concursados só recebem um salário mínimo e nada mais.

 

Já os motoristas contratados, reclamam que o gestor olivedense cortou a alimentação deles, que passam o dia na cidade de Campina Grande e parte da noite, seja para resolver assuntos da Prefeitura e transportar estudantes.

 

Deusinho passou a dar apenas um cheque de R$ 100 por mês para esses motoristas almoçarem, tomarem café e jantar.

 

O helenolima.com teve acesso a vários áudios, onde esses motoristas lamentam o desprezo do prefeito e afirmam que estão prejudicados e alguns mais exaltados ameaçam, inclusive, entregarem os cargos.

 

Um dos motoristas, em conversa com outro colega, diz que conversou com o prefeito durante a entrega da premiação aos vencedores do campeonato Municipal de futebol no ano passado.

 

"Eu vi vários cheques, de R$ 400, R$ 500, R$ 1.500... da premiação e me lembrei logo de "Pezim" (restaurante onde os motoristas se alimentavam) e disse assim: 'oxente, Deusinho, aí é bonito, né?'. Aí ele disse: 'o quê?' Eu disse: 'mil e quinhentos contos (sic) que tu pagava lá em "Pezim", tu cortou pra dá de premiação ao campeão. Pense num negócio bonito'. Então Deusinho falou: 'já começou a conversar besteira?'. Eu disse: 'conversar besteira, não. Ou você vai ajeitar esta b... ou tome a chave, viu Deusinho'".

 

O motorista prossegue dizendo que o gestor teria desconversado  e alegado que não era momento nem local para tratar daquelas questões e chamou o motorista para tomar cachaça.

 

Em outro áudio, um motorista faz um desabafo e diz que aquela situação é absurda.

 

"Meus amigos, isso é um absurdo, não estou colocando motorista contra o prefeito. Mas eu acho que a gente que vive batalhando, lutando, resolvendo as coisas... eu mesmo próprio já estou aqui em Campina, Vou cair em campo agora, pegar remédio em Redefarma, ir lá no véi das bugingangas (sic) pegar um rebanho de troço da dentista. Tem de ir lá na Clips (hospital), subir lá no 6º andar pra pegar uns exames... tá entendendo. Tem de ir pegar uns exames pra dra Neide, tem de ir lá em dr Edgley (hospital) pegar uns exames porque já ligaram pra mim aqui. Agora um negócio desse a pessoa não ver não, p!... Mas meus amigos eu digo um negócio a vocês, estou aqui por enquanto. Porque se sair o negócio do caminhão ali pra mim, R$ 1.600 por mês, eu tô caindo fora, porque não vou trabalhar de graça pra Prefeitura, não. Coisas que só estão piorando o lado dos motoristas, porque temos muitas responsabilidades, isso aqui é trabalho digno, de respeito. Não estou com frescura, não. Estou mandando este áudio pra todos os motoristas, vamos nos dá valor, minha gente. Porque isso aqui é imoralidade. Onde eu trabalho, gosto de trabalhar com vontade. Mas agora, estou trabalhando sem vontade. Não vou maltratar o povo, vou tratar o povo do mesmo jeito. Mas estou desgostoso. Que Deus abençoe a todos nós e cubra com o seu manto. Amém", pontua o motorista.

 

Da redação

Comentários

Veja também

Facebook