Deputado chama vereadores de moleques e diz que aliados têm que está na sua coleira

Politica

15/02/2019 às 12h09

Deputado chama vereadores de moleques e diz que aliados têm que está na sua coleira

ESTA MATÉRIA FOI VISTA 5676 VEZES

REMÍGIO - Irritado com o fato do seu irmão, Nilsão (PT), não ter sido eleito presidente da Câmara Municipal, o deputado Estadual, Chió Batista (REDE), chamou os vereadores da bancada de situação de moleques, disse que mandava ainda na cidade, apesar de ter renunciado ao cargo de prefeito no ano passado para concorrer a uma cadeira na Assembleia Legislativa.

 

Não satisfeito, Chió disse ainda que o aliado que quiser ficar na base, tem que andar na sua coleira.

 

As declarações do deputado, foram dadas durante uma reunião ocorrida na noite desta quinta-feira (14), na BV Recepções, onde ele reuniu vereadores da base, o atual prefeito, André do SESP, secretários da gestão e demais assessores.

 

Todos os aliados foram contentes para o encontro, achando que o deputado iria passar alguma coisa boa para eles, mas ao contrário, ouviram um monte de desaforos.

 

O clima esquentou de tal maneira que até um policial militar, de nome Ciszernando, sobrinho de Chió, presente a reunião, se exaltou e partiu para cima da vereadora, Vitorinha SD), para agredi-la fisicamente, sendo contido pela turma do "deixa disso".

 

A vereadora, inclusive, foi à Delegacia de Polícia Civil (PC) nesta sexta-feira (15), prestar queixa contra o PM.

 

Além disso, o deputado botou frente a frente os vereadores da base e secretários da Prefeitura, para afirmar que aqueles seriam traidores, pois não votaram no seu irmão para presidente da Câmara.

 

O prefeito estava presente, mas ficou de cabeça baixa o tempo todo e não se contrapôs as palavras desrespeitosas de Chió, que falava como o manda chuva da cidade.

 

Todos os edis aliados ficaram indignados com a atitude do deputado, pois sequer respeitou um senhor de 80 anos, o vereador e ex-presidente do legislativo Municipal, Dr João Barbosa, taxado de moleque pelo mal educado Chió.

 

Entenda o caso

 

Em dezembro de 2018, Dr João Barbosa deixou a presidência da Câmara de Remígio e o seu vice-presidente, Adinael Barbosa (PPS), assumiu o comando da mesa diretora.

 

Na eleição para o biênio 2019/20, Adinael se reelegeu presidente da mesa diretora, mas Chió se irritou porque ele queria que o eleito fosse seu irmão, o vereador, Nilsão.

 

Acontece que Nilsão não conseguiu um único voto e sequer registrou a chapa.

 

Mas na noite desta quinta-feira, Chió colocou para fora toda a sua indignação, chamando os vereadores de moleques e golpistas, colocando os secretários contra eles, dizendo que ainda mandava em Remígio e que quem quiser ser seu aliado, teria que andar na sua coleira.

 

Vereadores desabafam

 

Após a reunião, os vereadores foram participar da sessão ordinária e usaram a tribuna para reclamar da atitude desrespeitosa do deputado.

 

"Não sou bitolado nem doutrinado. O desrespeito não foi apenas com uma pessoa, ou com a mulher, o homem do bem e o representante do povo, mas sim contra a liberdade da Câmara escolher o seu presidente. Nilsão é um homem de bem e que tem postura, porem não foi a escolha do legislativo. Escolhemos Adinael e, sendo Adinael aliado, o deputado deveria respeita essa decisão, ao invés de dizer que foi uma 'molecagem'", pontua João Rafael (PSDC).

 

Paulinho de Kiko (PDT), disse que merece uma nota de repúdio, a atitude do deputado, que convidou os vereadores para uma reunião para os taxarem de moleques.

 

Vitorinha lamentou ter sido chamada de moleca e se disse decepcionada com a atitude de Chió que, apesar de ter votado nele para prefeito e deputado, fora desrespeitada.

 

"Mas hoje foi o fim da credibilidade que eu tinha por você, Chió. Porque fomos convidados para uma reunião de última hora para ser chamada de moleca aos 46 anos. Repudio essa atitude", disse a vereadora, indignada.

 

Adinael fez uso da palavra e também repudiou a atitude do deputado, afirmando que sempre foi aliado fiel e honesto ao lado do grupo de Chió, mas declarou o rompimento político.

 

"Quando a gente planta, colhe e colhi honestidade. Mas a partir de hoje, o PPS não apoia mais o senhor deputado. Porque eu sou um homem e um homem tem que ser respeitado e venho de uma família que tem respeito e educação vem da minha casa", pontua.

 

O presidente finaliza dando um conselho ao prefeito.

 

"Prefeito, André, conte conosco. Agora, se ouvir um poder que subiu a mais, vossa excelência, eu acho que não vai chegar muito longe, não. Quando o poder sobe à cabeça, destrói muita gente", filosofa Adinael.

 

Da redação

Comentários

Veja também

Facebook