Como fica o mercado de armas no Brasil com o decreto assinado por Bolsonaro?

Brasil

21/01/2019 às 11h37

Como fica o mercado de armas no Brasil com o decreto assinado por Bolsonaro?

ESTA MATÉRIA FOI VISTA 301 VEZES

A ampliação do direito de possuir armas de fogo aponta novos rumos para o mercado de venda de armas no Brasil.

 

A expectativa, agora realidade decretada, do cidadão comum manter uma arma em casa ou no trabalho - desde que o dono da arma seja o responsável pelo estabelecimento, exigirá dos fabricantes de armas de fogo um posicionamento mercadológico mais agressivo e consistente.

 

Saindo de um circuito mais restrito, a venda e a produção de armas torna-se um nicho a ser visto com relevância por investidores e consumidores, ainda mais que o decreto prevê que, cumprindo os requisitos de "efetiva necessidade" a serem examinados pela Polícia Federal, o indivíduo poderá portar até quatro armas, limite este que poderá ser ultrapassado em casos específicos.

 

Vemos que isso vai criar, dessa forma, a mais pura Lei da oferta e procura.

 

Se antes a venda de armas era para poucos, a partir do decreto de Bolsonaro, o interesse da população cresce.

 

Tal popularização obrigará as empresas produtoras de armas a terem uma artilharia pesada (permitindo aqui o trocadilho) para se sobressair neste novo ramo econômico.

 

A abertura do mercado de armas fará com que os fabricantes repensem suas estratégias de marketing, seus posicionamentos nas redes sociais, seu diálogo sustentável com os investidores, além, é claro, do relacionamento com o consumidor.

 

Neste aspecto, as empresas terão de se basear em um papel focado para atender clientes de personas indefinidas, porém com o anseio único de se protegerem da violência urbana que assola o País há tempos.

 

É preciso correr contra o tempo, uma vez que toda esta movimentação curiosa da população já é assistida desde a campanha eleitoral de Bolsonaro.

 

Vamos falar da Taurus, por exemplo. A expectativa pela facilitação de vendas de armas fez com os papeis da maior fabricante do País elevassem mais de 60% nos primeiros dias de 2019.

 

No final do ano passado, a disparada chegou a 150% em ações preferenciais. Hoje, a realidade é outra.

 

Os papéis da Taurus tiveram uma desvalorização de mais de 20% na terça-feira, dia 15, quando Bolsonaro assinou o decreto.

 

Além da informação de que o governo prepara um estudo para a abertura de mercado para a produção de armas no Brasil, outra especulação para tal declínio da Taurus é a entrada de fabricantes estrangeiros no Brasil.

 

Uma possibilidade não muito remota frente ao viés liberal da gestão bolsonarista.

 

Estes cenários nos dão a ideia de que a lei da oferta e da procura vai reger o mercado de armas no Brasil.

 

Entretanto, a batalha será demarcada na empresa que conseguirá dialogar de maneira sustentável e efetiva com todos os seus stakeholders diante da latente competividade de um nicho que tem tudo para ganhar força popular neste ano.


Seguros (ou não), aguardaremos as cenas dos próximos capítulos.

 

Daniel Domeneghetti é especialista em Marketing & Branding Strategy

Comentários

Veja também

Facebook