Câmara autoriza Prefeitura a pagar dívida de agricultores junto ao BNB

Agricultura

19/05/2018 às 13h53

Câmara autoriza Prefeitura a pagar dívida de agricultores junto ao BNB

ESTA MATÉRIA FOI VISTA 426 VEZES

JUAZEIRINHO - A Câmara de Vereadores, aprovou por unanimidade na noite desta quinta-feira (17), durante sessão ordinária, o Projeto de Lei (PL) de número 15/2018, de autoria do poder executivo, que autoriza a Prefeitura a firmar termo de liquidação e de renegociação de dívidas com o Banco do Nordeste do Brasil (BNB) cujo objetivo é liquidar e renegociar dívidas dos agricultores familiares do município nos termos da Lei Federal 13.340/2016 e que foram contraídas através de linhas de crédito que atendem ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultora Familiar (Pronaf).

 

de acordo com o PL, "as despesas necessárias a consecução desta Lei serão suportadas por dotações constantes do orçamento público Municipal em vigor, ficando limitadas ao valor de R$ 28.019".

 

Em entrevista ao helenolima.com, o prefeito, Bevilacqua Matias (Avante), autor do projeto, devido a alta inadimplência, o BNB não está liberando crédito para os agricultores do município, mas que com a aprovação na Câmara desta Lei, espera-se que a instituição bancária volte a investir no agronegócio de Juazeirinho um valor aproximado de R$ 3 milhões.

 

"É um fato inédito essa Lei, pois iremos quitar, através dessa renegociação, as dívidas dos agricultores junto ao BNB, que não estava liberando mais crédito para o setor devido a inadimplência alta porque enfrentamos seis anos de estiagem e isso devastou o campo. Mas que agora pode voltar a liberar cerca de R$ 3 milhões para fomentar a agricultora familiar", afirma o alcaide.

 

Por fim, Bevilacqua agradece aos vereadores pela confiança na gestão.

 

"Quero agradecer aqui de público, em nome do presidente do poder legislativo, Cícero Silva (Avante), a todos os vereadores, por terem aprovado essa autorização para que possamos liquidar essa dívida dos agricultores junto ao BNB", arremata.

 

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Da redação

Comentários

Veja também

Facebook