Atos pela greve bloqueiam ruas e afetam serviços de transporte pelo País

Brasil

14/06/2019 às 10h13

Atos pela greve bloqueiam ruas e afetam serviços de transporte pelo País

ESTA MATÉRIA FOI VISTA 233 VEZES

A greve convocada pelas centrais sindicais em repúdio a atual proposta da reforma da Previdência, afetou serviços de metrô, trem e ônibus, na manhã desta sexta-feira (14) em capitais e outras cidades do país.

 

Por volta das 9h35, ao menos 23 estados e o DF já registravam atos em favor da paralisação.

 

Em alguns municípios, como Salvador e Aracaju, os serviços de transporte foram totalmente paralisados, enquanto em outros, como São Paulo e Rio de Janeiro, as operações estão sendo parcialmente mantidas.

 

Protestos pontuais também foram registrados, com bloqueios de vias e ruas pelo País. Houve repressão por parte da polícia em protestos mais incisivos, como no Rio de Janeiro, onde bombas de gás lacrimogêneo foram jogadas pela PM para dispersar os manifestantes.

 

Em São Paulo, piquetes fecharam a Avenida 23 de Maio e um deles foi incendiado. O Corpo de Bombeiros foi acionado, extinguiu o fogo e a via foi liberada por volta das 8h, mas o trânsito foi fortemente afetado pelo bloqueio.

 

No Rio Grande do Sul, militantes do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra) bloquearam a BR-290, em Porto Alegre, e atearam fogo na barricada.

 

PROTESTOS

 

As manifestações com participação das centrais sindicais - como CUT (Central Única dos Trabalhadores), UGT (União Geral dos Trabalhadores) e Força Sindical - estão marcadas para começar entre 14h e 15h.

 

O início da manhã foi complicado para os moradores dos locais afetados pela greve, muito por conta do fechamento das vias e ausência de transporte público.

 

No Rio, ainda antes das 9h30, manifestantes foram contidos por bombas de efeito moral usadas pela Polícia Militar. Na capital fluminense, no entanto, o transporte público não parou.

 

Acesso ao aeroporto fechado em São Paulo

 

Já em São Paulo, quatro linhas de metrô tinham operação parcial no começo do dia, por volta da 6h. Para ônibus e trens, a circulação era normal, mas havia bloqueio com protesto na Avenida do Estado, que liga a capital ao ABC paulista.

 

Manifestantes também bloquearam a rodovia que dá acesso ao aeroporto de Guarulhos para passageiros que saem da cidade de São Paulo.

 

A interrupção, na faixa da direita e acostamento, foi feita pela organização Povo Sem Medo na rodovia Helio Smidt (SP 019), no sentido norte, na altura do quilômetro 2,4, que fica na altura do parque Cecap.

 

O movimento, que segundo a polícia tem cerca de 100 manifestantes, está sendo feito em apoio à greve geral convocada para hoje por sindicatos e movimentos sociais.

 

Metrô segue, mas ônibus param em Salvador

 

A frota de 2,7 mil ônibus que fazem linhas urbanas em Salvador, capital baiana, está parada. Os rodoviários aderiram à greve e estão reunidos nas garagens, de onde devem sair para participar de manifestações que acontecem em vários pontos da cidade.

 

"Vamos nos manter parados durante todo o dia. Só voltamos ao trabalho amanhã", afirma Walter Freira, secretário-geral do sindicato dos Rodoviários

 

Por outro lado, o metrô segue em funcionamento na capital baiana. A concessinária CCR Metrô Bahia informou que iniciou suas atividades às 5h e tem cinco trens circulando na Linha 1 e nove trens na Linha 2, conforme programação habitual em dias úteis.

 

Com aulas paralisadas, UFMG marchará contra cortes

 

Trabalhadores, entidades sindicais, estudantes e movimentos sociais vão marchar à tarde pelas ruas de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais.

 

Cerca de 300 pessoas serão levadas em quatro ônibus da UFMG para a manifestação. Os estudantes cantavam: "Ô Bolsonaro, da educação eu não abro mão".

 

Eles reivindicam ainda cortes de funcionários terceirizados da segurança, que começam a chegar na faculdade.

 

Nos ônibus estão representantes do DCE-UFMG (Diretório Central dos Estudantes), do Sindicato dos Professores de Universidades Federais de BH e Montes Claros (APUbh) e do Sindifes (Sindicato dos Trabalhadores nas Instituições Federais de Ensino).

 

As aulas estão paralisadas nesta sexta-feira na UFMG.

 

Na região metropolitana de BH, as estações de metrô amanheceram fechadas e a circulação de carros no trânsito foi afetada por protestos.

 

Uma mulher foi levada para o hospital após inalar fumaça de fogo em pneus de um protesto. Ela teve uma parada cardiorrespiratória.

 

Em Curitiba, rodovias fechadas

 

Desde as primeiras horas do dia, manifestantes têm bloqueado rodovias de acesso a capital paranaense. Há poucos minutos, a Polícia Rodoviária Federal informou que está totalmente interditada a pista em ambos os sentidos do Contorno Sul de Curitiba (BR-376), no bairro Cidade Industrial. Há dezenas de manifestantes no local.

 

Mais cedo, às 6h30, no km 84 da BR 277, ocorreu uma interdição total da pista sentido Curitiba-Paranaguá, em virtude da manifestação, mas logo a pista foi liberada.

 

Menos ônibus nas ruas e rodovias fechadas no Recife

 

Os motoristas de ônibus que trafegam pela capital pernambucana aderiram parcialmente à greve geral contra a reforma da Previdência. Na manhã desta sexta, o movimento de coletivos nos principais terminais era menor do que o habitual.

 

Alguns passageiros relataram uma demora maior para conseguir o transporte. "Percebo que está mais lento, mas achei que seria bem pior", disse o vendedor ambulante Matias dos Santos, 33 anos.

 

No terminal integrado da Macaxeira, o principal da cidade, o movimento de passageiros também foi menos intenso. Funcionários do local informaram que a chuva que caiu no Recife nas últimas horas contribuiu para a diminuição do fluxo de pessoas.

 

Grevistas realizaram protestos em frente a algumas garagens de ônibus. Desde as 4h, um pequeno grupo impediu que motoristas da empresa Itamaracá, em Abreu e Lima, na região metropolitana do Recife, circulassem. As linhas Centro e Sul do Metrô do Recife só vão funcionar em horários de pico. As estações estarão abertas das 5h às 9h e das 16h às 20h.

 

Em apoio à greve geral contra a reforma da Previdência, integrantes do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) bloquearam cinco estradas federais na região metropolitana do Recife e no interior de Pernambuco.

 

No município de Igarassu, no Grande Recife, a BR-101, na altura do km 47, foi interditada com o depósito de entulhos na faixa de rolamento. Neste ponto, a pista já foi liberada após chegada da Polícia Rodoviária Federal.

 

No município de Pesqueira, no agreste, os manifestantes fecharam a BR-232, que corta boa parte do interior de Pernambuco.

 

A mesma rodovia foi bloqueada em Jaboatão dos Guararapes, na região metropolitana do Recife. Há protestos também na BR-104, em Caruaru e em Gravatá, interior do estado.

 

Fonte: Folhapress

Comentários

Veja também

Facebook